Existe um estilo de fotografia que dá total liberdade criativa ao fotografo e permite que expresse sua visão de mundo através das imagens: o nome dele é Foto Arte. Conheça mais sobre esta modalidade que faz verdadeiros artistas.

Costuma-se dizer que há dois tipos de fotografia: documental, quando a imagem serve para registrar um fato real, e autoral, que normalmente é um conjunto de fotos que carregam uma mensagem pessoal do autor. O limite entre um tipo e outro pode ser muito subjetivo, mas nesse artigo tentarei elucidar as principais diferenças.

O objetivo pelo qual se faz a foto é o que difere se ela é autoral ou não. O fotógrafo autoral pensa na imagem como arte, já o fotógrafo documental tem o assunto da foto como prioridade, deixando a plástica da imagem em segundo plano.

Quando se faz um trabalho autoral coloca-se um pouco de si próprio na imagem. Como o nome sugere, a foto carrega uma parte do autor. Para uma foto ser chamada de arte e ocupar a parede de uma galeria ou as páginas de um livro é preciso uma linguagem pessoal estabelecida, que revele o fotógrafo por trás dela.

Selecionei aqui três fotógrafos brasileiros contemporâneos com incríveis trabalhos artísticos.

Walter Firmo (1937)

Atuou como fotojornalista no Rio de Janeiro até 1971, quando decidiu iniciar uma pesquisa fotográfica sobre o folclore do Brasil. É famoso por dominar, como poucos, as cores em suas fotos Brasil a dentro. Entre seus livros, destacam-se Antologia Fotográfica, Rio de Janeiro: Cores e Sentimentos e Firmo.

Sebastião Salgado (1944)

Amplamente conhecido, mas obrigatório nessa lista. Formado em economia, deixou o seu trabalho no escritório para fotografar as mazelas da África em 1973. Misturando fotojornalismo e arte, ele foi convidado para trabalhar para a Magnum Photos, considerada a mais importante agência de foto do mundo. Em seu último trabalho, Genesis, Salgado passou vários anos fotografando a natureza em lugares remotos do planeta, onde as ações destrutivas do homem ainda não tiveram tanto impacto.

Cássio Vasconcellos (1965)

Já participou de mais de 190 exposições em 20 países. O fotolivro que o levou a ser um dos mais importantes fotógrafos do Brasi foi Noturno São Paulo. A série traz incríveis fotos noturnas de São Paulo, feitas usando apenas uma Polaroid, longa exposição e light painting. Hoje dedica seus trabalhos autorais a fotos aéreas com impressões gigantescas e recheadas de detalhes.

Depois de citar esses grandes mestres, tomo a liberdade de falar da minha pequena mas intensa experiência com o trabalho autoral.

Linha de Frente

(Canon 7D - 1/640 f3/ ISO 1600 70-200mm f/2.8L USM)
(Canon 6D - 1/250 f/2.8 ISO 12800 70-200mm f/2.8L USM)

Em 2011, originou-se o meu primeiro projeto publicado, chamado “Linha de Frente”. Feita durante a cobertura de shows e festivais, essa série mostra o aperto vivido por fãs que escolhem lutar pela primeira fila.

(Canon 6d 1/80 f/2.8 ISO 2500 16-35mm f2.8L II USM)
(Canon 6d 1/40 f/3.2 ISO 1600 16-35mm f2.8L II USM)

Essas cenas impressionantes que presenciei ao fotografar alguns shows começaram a me interessar mais do que o próprio show. Foi quando eu comecei a voltar minha câmera para o público e capturar essas fotos, que me remetiam à fotografia de guerra.

(Canon 6d -1/60 f/2.8 ISO 1250 50m 1.8 II)
(Canon 7D 1/60 f/3.2 ISO 1600 16-35mm f2.8L II USM)

Como a maioria dos fotojornalistas, eu pensava muito em cobrir uma guerra. Em nenhum outro lugar as cenas são tão autênticas; ninguém se preocupa com uma foto quando está em um tiroteio. Todo mundo é espontâneo. E o mesmo realismo eu pude ver ali, na plateia de um show. Eram pessoas que nem reparavam que eu as fotografava, tamanho era o aperto, a emoção de estar perto dos seus ídolos e a disputa por um melhor espaço para apreciar o show.

Neste trabalho, busquei utilizar um equipamento mais prático e com alta entrega estética, pois precisava de boas fotos com cliques bem rápidos. Por isso utilizei muito as lentes EF 16-35mm f/2.8L II USM, a EF 50mm f/1.8 STM e a EF 70-200mm f/4L USM. Muitas vezes precisei ativar o flash Speedlite 580 EX II para revelar a cena que acontecia na escuridão.

Principalmente a primeira lente citada – a 16-35mm – proporcionava quadros mais condizentes com a minha posição e necessidade de fotografar a guerra da plateia, muito por ser uma lente extremamente prática graças ao zoom.

Este trabalho foi exposto no espaço cultural Red Bull Station (SP) em 2014 e posteriormente ganhou destaque na imprensa nacional e internacional.

Cinzas de Quarta

Canon 6D 1/4000 seg f/2.8 ISO 200 16-35mm f/2.8L II USM

Em 2014, finalizei o projeto “Cinzas de Quarta”, que foi exibido no Museu da Imagem e do Som – MIS. A série mostra alegorias usadas por escolas de samba que ficam abandonadas na zona norte de São Paulo.

Canon 6D 1/2000 f/2.8 ISO 200 16-35mm f/2.8L II USM

Expostas à chuva e ao sol, essas alegorias, tratadas com todo o cuidado até serem o centro das atenções no carnaval, são esquecidas e empilhadas depois desse momento de contemplação. O projeto aborda alegorias que representaram vida no sambódromo e agora se decompõem em meio a outras sobras do último desfile.

Canon 6D 1/800 seg f/5 ISO 200 16-35mm f/2.8L II USM

Quando voltei a esse terreno, a essência do ensaio foi se definindo cada vez mais na minha cabeça. Visitar algumas vezes, viver um pouco naquele lugar e conversar com as pessoas de lá foi essencial para amarrar as fotos a apenas uma ideia.

Canon 6D 1/160 seg f/8 ISO 160 16-35mm f/2.8L II USM

Como tinha liberdade total e mais tempo de execução nesse trabalho, os equipamentos faziam jus às condições. Utilizei a Canon 6D e a lente EF 16-35mm f/2.8L II USM.

Nesse caso, por causa da abertura de diafragma, a 50mm fornecia muitas possibilidades de trabalho com o foco e a iluminação, o que foi importante para dar realidade à interpretação que estava em minha mente.

  

A relação entre os temas desses dois projetos só ficou clara para mim depois de refletir muito sobre eles em conversas com amigos. A bela decadência, essa beleza que eu vejo no que é considerado feio por muitos, é a veia do meu trabalho nesse momento.

 
jd7ZN238P7hfg7EFP57mXjZx https://dashboard.nama.ai false CanonBot Olá, eu sou Canonbot, o assistente virtual da Canon do Brasil. Aqui você poderá solicitar serviço de assistência técnica, consultar sobre produtos e tirar algumas dúvidas sobre a nossa loja virtual oficial! Como posso ajudar? Rastrear Pedido Assistência Técnica CPS Canon College Filmadoras Lentes Câmeras Flash Loja Virtual Impressora https://www.canon.com.br/img/layout/logo-chat.png 30